Pesquisa revela que as adolescentes são mais vulneráveis aos perigos da internet

  • Artigo publicado em: 6 outubro, 2010
  • Categorias:
Pesquisa da Ong Plan Brasil e da Parceria para a Proteção da Criança e do Adolescente mostrou que 80% das adolescentes brasileiras não se sentem seguras ao utilizar a internet.
A pesquisa denominada “Adolescentes Brasileiras em um Mundo Digital” contou com a participação de 400 jovens em todo o Brasil com questionários aplicados pela internet, e também de forma presencial em escolas privadas e públicas de São Paulo e Santo André-SP em 49 meninos e 44 meninas.
A conclusão é que 48% das moças afirmam que os pais não sabem exatamente o que elas fazem na internet. Para o gerente da Ong CPP, os pais não tem familiaridade com as novas tecnologias e isso acaba dificultando a sua tomada de atitude perante o uso da internet por parte dos filhos.
Cerca de 60% das adolescentes dizem conhecer os perigos da grande rede, mesmo sem saber ao certo como se defender de situações de risco. O preocupante é que apenas um terço delas declara saber o que fazer diante do perigo na internet.
A questão do desconhecimento dos pais é ainda maior nas classes com menor renda. Um dos motivos é o baixo entendimento dos pais frente às novas tecnologias, e o outro é que os adolescentes geralmente tem acesso à rede em lan-houses, fora do alcance dos pais.
Para Rossi, as meninas são as maiores vítimas dos perigos da internet. Mesmo por que na “vida real”, fora da internet, já há um maior índice de abuso e exploração sexual de adolescentes. Ainda segundo Rossi, outro ponto de alerta é a sexualidade precoce, principalmente nas camadas de baixa renda.
Recentemente aqui no blog escrevi um post sobre os “Perigos da Internet: Como proteger os seus filhos?” Vale à pena ler!
Abaixo, uma reportagem do Jornal Hoje 06/10/2010 tratando um pouco sobre o resultado do estudo da Ong CPP:

Tenham todos uma ótima tarde!
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Comentários

comentários