Relacionamentos-2B--2Bredes-2Bsociais-2B--2BLeonardo-2BFd-2BAraujo-2BPsicologo

Relacionamentos e a Vida Digital – Coluna do Leitor

  • Artigo publicado em: 27 novembro, 2015
  • Categorias:
Recebi um e-mail da S., ela tem entre 35 e 39 anos e nos envia a seguinte questão:

“Olá Leonardo,
Namoro um rapaz há cerca de 6 anos. De dois anos para cá, depois que começamos a usar de maneira mais intensa o smartphone, estou ficando cada vez mais ciumenta. Nós não moramos juntos, mas nos falamos o dia todo pelo Whatsapp. Trocamos muitas mensagens sobre os mais variados assuntos. Mas, lá no fundo, sempre fico tentando saber o que ele está fazendo ou pensando. Por vezes peço para ele provar se está falando a verdade, tirando uma foto de onde está. Já me peguei procurando por horas algum sinal de traição no seu Facebook. Vasculhei o celular dele por mais de uma vez, mas nunca encontrei nada. Ele é um pouco mais novo do que eu, é um cara que chama a atenção por onde passa, fico insegura e tenho medo que ele me traia. É normal sentir tanto ciúme assim? Às vezes sinto como se estivesse querendo colocar uma coleira nele! Como vi que você trabalha com esse tipo de assunto, gostaria de saber a sua opinião. Obrigada!”


Olá S.

Primeiramente muito obrigado por participar aqui da coluna do leitor, será uma satisfação poder responder à sua questão. Apenas para esclarecer, todo e qualquer dado que pudesse comprometer o seu anonimato foi propositalmente alterado no seu relato aqui publicado. 

Há vários pontos que precisamos levantar na sua questão. Primeiramente sobre a sua insegurança: é muito importante que a mulher trabalhe sua autoestima sempre que possível. Talvez procurar se nutrir e se cercar de coisas positivas sobre você, sobre seu trabalho seja uma boa pedida. Trabalhar os seus aspectos femininos, soltar a mulher que existe dentro de você. Se arrumar, pintar as unhas, praticar uma atividade física, procurar ficar perto de pessoas que a joguem para cima, não para baixo. Essas são dicas comuns a todos os casos de baixa autoestima e insegurança.

Estar insegura em um relacionamento é algo perfeitamente natural. Procurar pensar o que está despertando essa insegurança é fundamental. Você comenta que o rapaz é mais novo que você e que chama a atenção, isso a deixa insegura? Saiba que o homem tem a tendência a gostar da mulher que se mostre firme e confiante. A sua insegurança pode minar algumas características positivas suas, e por final, prejudicar o seu relacionamento amoroso.

Em minhas palestras, sobre vida digital e vício digital, trabalho muito essa questão dos ciúmes em tempos de internet e redes sociais. Cada vez mais os casais estão entrando de cabeça na onda das mensagens instantâneas. Trocam dezenas, até centenas de mensagens durante o dia. Todas essas palavras trocadas não significam que estejam realmente se comunicando, mas sim se controlando e cercando um ao outro. Ocorre muitas vezes o que chamo de tentativa de controle. Ela é utópica, pois é impossível controlar de forma absoluta, como também é impossível tentar saber o que o outro está pensando. 

Questões como a sua são recorrentes em meu consultório. Vejo muitas pessoas sofrerem por não saberem o que o parceiro ou a parceira estão fazendo ou pensando. Sempre costumo perguntar: e você? O que você anda fazendo e pensando? Já parou para observar isso? Se a resposta mais óbvia for “atualmente ando vasculhando a vida digital do meu namorado e fico insegura com isso. Trocamos dezenas de mensagens por dia e sempre procuro saber o que ele está fazendo”, então a luz vermelha de alerta está acesa.

Outro ponto que sempre trabalho com meus clientes é a “teoria dos conjuntos”. Aquela mesma da matemática. Existe o Conjunto A (você) e o conjunto B (seu namorado), e temos ainda a intersecção de A com B. Neste ponto estão as coisas que vocês compartilham: seus amigos, as saídas, o tempo que passam juntos. Porém, há ainda uma parte que não é compartilhada, pois cada um tem a sua rotina de trabalho, estudos e vida social. A união entre duas pessoas nunca será uma fusão. São duas pessoas distintas, com suas questões, rotinas e cotidianos próprios. E quanto a isso, não há muito o que possamos fazer. O importante é viver verdadeiramente a relação, é a partir disso que a confiança e o companheirismo ficam fortalecidos. Aproveitar cada segundo que vocês estiverem juntos. Poxa, a vida é muito curta, precisamos aproveita-la ao máximo!!!

Há uma frase do Osho bastante interessante que ilustra bem o que estou tentando colocar. Com todas essas características colocadas, nos remete ainda a questão da Posse. Que também é algo utópico, pois ninguém pode ter a posse de outra pessoa. Somos todos seres livres, com características próprias, com qualidades e defeitos, é isso que nos faz únicos.

Espero ter ajudado, foi um prazer receber a sua participação!
E você? Quer participar aqui da coluna do leitor? Me mande um e-mail: atendimento@psicologoemcuritiba.com.br que a sua participação pode ser escolhida para ser publicada aqui no meu blog!
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Comentários

comentários