Pokemon-2BVida-2BDigital-2BPsicologo-2Bem-2BCuritiba-2BLeonardo-2BFd-2BAraujo

Pokémon Go – um novo desafio para o uso consciente do celular

  • Artigo publicado em: 13 julho, 2016
  • Categorias:
13/07/2016
No começo do mês a Nintendo lançou um novo game para celular chamado Pokémon Go. Nele os jogadores literalmente andam pelas ruas das cidades caçando “bichinhos” virtuais, os pokémons. É uma versão em game para celular de um já aclamado desenho animado. Por enquanto o jogo está liberado nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia e Alemanha. Logo virá também para o Brasil.

A questão é que para capturar os pokémons, os jogadores precisam ficar de olho no celular e ir andando pela cidade até chegar onde os “bichinhos” se escondem. Não importa onde estejam, em uma estação de metrô ou dentro de um museu, os jogadores vão até lá para captura-los. Através da tecnologia de realidade aumentada, o jogador liga a câmera do celular e consegue “ver” os pokémons escondidos e captura-los.

O sistema de realidade aumentada do Pokémon Go
Do ponto de vista do entretenimento é um avanço grande, pois é algo inédito na história dos games. Agora, do ponto de vista do uso excessivo ou inadequado do celular, é algo que será um desafio. Em menos de uma semana de lançado, há relatos de atropelamentos e até assaltos. Sim, uma garota na Pensilvânia estava atravessando a rua no momento em que caçava pokémons e veio a ser atropelada. Em outro caso um jogador foi roubado enquanto se aproximava do ponto de uma caçada em um parque, teve o carro e o celular levados por ladrões que usaram o sistema de localização para chegar até a vítima. Na Austrália a polícia lançou um alerta para que os jogadores prestem atenção ao andar pelas ruas. Nos EUA o aviso foi para não usarem o game enquanto dirigem!

É fato notório que muitas pessoas não tem tido um comportamento consciente na hora de usar o celular, principalmente enquanto trocam mensagens. Pessoas andam pelas ruas sem prestar atenção à sua volta e até mesmo o fazem enquanto dirigem, colocando vidas em risco. Sem falar que podemos estar deixando de viver intensamente vários momentos devido ao uso compulsivo dos aplicativos de celular.
À esquerda uma cena de um museu de Amsterdã e a tela “Ronda Noturna”, do holandrês Rembrandt, sendo “menosprezada” pelos visitantes. À direita uma cena cotidiana, amigos em um evento enfocando a distância entre o real e o digital.
Em meu trabalho no consultório lido diariamente com questões ligadas à vida digital de meus clientes. É fácil perceber as implicações que essas questões tem na saúde emocional deles. O público e os assuntos podem variar, mas o comportamento tende a ser semelhante. Podem ser adolescentes que ficam alienados em seu mundo digital e se esquecem da vida real, e ainda pais e mães que passam horas dedicadas às atualizações das redes sociais e se esquecem da família. As implicações podem ser as mais diversas, desde queda no rendimento escolar no caso dos adolescentes e até brigas e desentendimentos entre casais ou pais e filhos.

É urgente que façamos uma reflexão de como estamos lidando com as tecnologias. Elas estão aí para nos auxiliar e nos entreter, não para nos escravizar. Tanto em meu consultório, como em minhas palestras, coloco que: “o problema não são as tecnologias, mas sim o mau uso que damos a elas!”.

Esta nova modalidade de game, como é o caso do Pokémon Go, coloca em xeque como é que nós lidamos com a tecnologia. Vamos trocar contatos reais por virtuais? Trocaremos momentos reais com os amigos a horas de caçadas virtuais? Andaremos pelas ruas como “zumbis digitais” vidrados em um equipamento tecnológico? São questões que todos nós precisamos nos fazer.

A bola da vez, que em breve será lançada no Brasil, é esse game da Nintendo. Mas, futuramente, outros games ou modos de jogo serão a febre do momento. Este em especial, por ser de baixo custo, terá um apelo inicial muito grande. A princípio trata-se de um jogo “Freemium”, é grátis para jogar, mas é possível “acelerar o progresso” comprando créditos com dinheiro. Segundo a BBC Brasil, os usuários do game estão jogando, em média, cerca de 43 minutos por dia, superando o uso do Whatsapp, Instagram, Snapchat e Facebook Messenger.

Não preciso de nenhuma bola de cristal para saber que haverá muito questionamento nos próximos meses em cima deste game, até que um dia a febre trocará de nome ou de console. Daqui uns anos a febre será com os equipamentos de Realidade Virtual, que agora ainda estão muito caros, mas logo irão se popularizar.

Gear VR da Samsung

Algo que também sempre coloco: não sou e nunca fui contra tecnologia, muito pelo contrário! Acredito que o advento da internet foi uma das maiores conquistas da humanidade. Graças a ela estamos nos comunicando, estudando e trocando informações como nunca! Meu contato com tecnologia começou cedo, por volta dos 5 anos de idade meu pai comprou o seu primeiro computador pessoal, um TK-85 com “incríveis” 16kb de memória! Para a época era algo significativo. Cresci com computadores e videogames, mas lembro que sempre que possível as brincadeiras na rua eram a maior pedida. A grande questão, como tudo na nossa história, precisamos aprender a lidar com os excessos e sempre que possível levantar uma dúvida sobre como está o nosso comportamento. Também já exagerei no uso de tecnologia quando mais novo e sei como isso pode ser prejudicial.

Fica então um alerta aos pais e educadores, preparem-se para a onda do Pokémon Go, que pelo visto virá como um verdadeiro Tsunami! Ah, mas não pensem que isso é “só coisa de adolescente”, tem muito marmanjo se entregando a esta nova mania. É realmente um jogo que está conquistando o coração de muitos gamers.

Conheça meu trabalho como palestrante na área de Vida Digital e Comportamento humano, convido a assistir à divulgação de minhas palestras para Sipat e eventos:
Maiores informações aqui mesmo no meu site:
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Comentários

comentários