Artigos marcados com a categoria: Psicologia

Brasil 1 X 7 Alemanha – o que podemos dizer?

 
Podemos resumir a atuação da seleção brasileira nesta Copa como um misto de improviso, instabilidade emocional e um treinador que não fez as escolhas certas. Desde o primeiro jogo via-se que algo não estava bem.
 
Sem dúvida alguma haveria pressão por jogar em casa, mas eles são atletas de elite, devem ser preparados para tal. Será foi isso que faltou? Provavelmente sim. 
 
Depois da choradeira no jogo das oitavas de final contra o Chile a seleção demonstrou claramente estar no fio da navalha, a psicóloga da seleção foi chamada. Nos bastidores comentou-se que houve muita resistência por parte dos jogadores para se engajar no trabalho proposto por ela. 
 
 
Fomos para mais um jogo contra a Colômbia, e nele perdemos a peça chave do time, o jogador Neymar. O que era ruim, ficou ainda pior no quesito emocional e psicológico. Não tenho dúvidas que a equipe se abateu. Mas novamente levanto: são atletas de elite, precisam estar preparados.
 
Os dias que antecederam o jogo fatídico contra a Alemanha foram uma crônica de uma tragédia anunciada. SIM! Ou alguém achou que depois de todas as demonstrações que algo não ia bem seríamos capazes de passar pelo forte time alemão?
 
A fórmula da catástrofe foi a seguinte: 
– um time instável emocionalmente
– pouquíssimo treino na nova formação pós lesão do Neymar; 
– na véspera do jogo, ao invés de usar o tempo para algo criativo, o time foi atendido por um cabeleireiro; 
– a pressão de jogar em casa e de não fazer feio;
– a pressão por já ter uma “mão na taça”, postura colocada pelo Parreira;
– um treinador que muitos chamam de teimoso por não mudar a formação do time, a perda de sua maior estrela;
improvisos e gambiarras táticas que não funcionaram e nunca dariam certo;
pouca concentração, a Granja Comary mais parecia uma colônia de férias do que um campo de treinamento de uma seleção de futebol
– a torcida fez sua parte, mas tenho a sensação de que o cantar o hino “à capela” possa ter trazido uma falsa sensação de unidade e de que está tudo bem.
 
 
 
Alguns dizem que os alemães são frios, eu já acho o contrário, eles são práticos e sabem muito bem o que fazer. Desde o princípio se refugiaram em um Resort construído pela Federação Alemã em Santa Cruz Cabrália – BA. Fugiram dos holofotes e buscaram um denominador comum: treinar e ganhar a Copa. Usaram como base um time já formado, vários jogadores já convivem e jogam juntos há anos.
 
Outro ponto importante é o exemplo de “bons vencedores” que os alemães deram. Apesar de estarem “chutando um cachorro morto”, em nenhum momento desmereceram a seleção ou os brasileiros. Que essa mensagem fique para todos nós. Pior que um mau perdedor, é um mau vencedor.
 
 
Já a seleção brasileira, que muitos chamavam de “família Scolari”, não se viu como um time, pelo menos é essa a sensação que temos. Pouco entrosamento, pouca criatividade. Espero que tudo isso sirva de lição e que a seleção trabalhe o futuro com resiliência,  tirando uma oportunidade de crescer e desenvolver novas competências após este evento traumático. E, por favor, levarem a sério o trabalho psicológico durante toda a preparação para 2018. Vimos o quanto faltou trabalhar o emocional.
 
 
 
Bem, a vida segue. Essa ressaca moral vai passar. Para nós adultos é mais fácil de entender que tudo isso é um jogo e que temos coisas muito mais importantes para fazer e nos preocupar.
 
O que mais me preocupa são as crianças, elas ainda não tem um repertório emocional tão elástico quanto os adultos. É uma boa oportunidade para os pais de mudar um pouco o foco e falar mais sobre a vida.  Ressaltar a importância da disciplina, da preparação, de estudar, para que se for algo dar errado, pelo menos ter a certeza de que tentamos. Construir junto com a criança a capacidade de lidar com a frustração como a deste momento.                                       
 
Esse jogo foi uma vitória da competência sobre a malandragem, a consagração do planejamento sobre o improviso. Nosso famoso “jeitinho” nem sempre funciona e pode ser uma verdadeira armadilha!! Que isso sirva de exemplo para todos nós, em toda e qualquer área de atuação. 
 
 
 
Vida que segue! 
Leonardo Fd Araujo
Psicólogo em Curitiba CRP 08/10907
Terapia | Terapia Online | Coaching | Palestras
psicologoemcuritiba.com.br
Atendimento presencial e online
Bigorrilho, Curitiba – PR

Dificuldades para cumprir “promessas” de ano novo – Coluna do Leitor

  • Artigo publicado em: 21 janeiro, 2014
  • Categorias:
A nossa leitora R.M. nos enviou uma questão, vamos a ela:
Olá Leonardo,
Sempre tive dificuldades de cumprir as minhas promessas de ano novo. Algumas vezes até consegui começar, mas com o passar dos dias a empolgação vai passando e entrego os pontos. No ano passado tinha feito uma promessa de parar de fumar. Até consegui passar por janeiro e fevereiro longe do cigarro, mas no decorrer do ano fui pipocando e usando de vez em quando. Esta é uma das minhas promessas para 2014, conseguir largar o cigarro, já estou a 10 dias longe!! A outra promessa é terminar de uma vez a minha faculdade, precisei estica-la um pouco para poder trabalhar. Faltam apenas 3 matérias e a monografia. Estou preocupada em me decepcionar novamente!  Isso é sinal de fraqueza? Tem alguma dica?
 
Obrigado!
——
 
 
Prezada leitora R.M.
Acredito que o termo “promessa” não seja o melhor para o que está desejando fazer. Como diziam os antigos: “- Prometer é uma coisa, cumprir é outra!”.  
Nossas vidas são como uma empresa, precisamos administra-la para que “dê lucro”. Seguindo este ponto de vista, podemos estabelecer metas e tarefas no decorrer do ano para atingir determinados objetivos. Ter dificuldades nestes aspectos não são um sinal de fraqueza, mas sim uma falta de foco! 
No seu caso, são duas as metas para o ano de 2014: parar de fumar e terminar a faculdade.
 

 

Parar de fumar é algo que precisa ser elaborado. Dentro deste objetivo você pode estabelecer várias tarefas para ajuda-la:  praticar atividades físicas, melhorar a alimentação, tomar mais água, fazer um checkup médico. A grande questão é que não adianta executar essas tarefas por dois meses, é preciso manter o foco e ter bem estabelecida qual é a meta a ser cumprida. Aproveite esse embalo inicial de estar 10 dias longe do cigarro e estabeleça as próximas tarefas!
Para a sua segunda meta, terminar a faculdade, a estratégia é dividir o ano em trimestres com tarefas pré-determinadas! Por exemplo: no primeiro trimestre você vai concluir o anteprojeto da monografia com o tema, justificativa e parte da bibliografia. No começo do segundo trimestre você termina toda a pesquisa bibliográfica e passar tudo para a discussão do tema escolhido. No terceiro trimestre são as conclusões finais, reuniões com o orientador e os retoques. No último trimestre é o momento de ensaiar a apresentação e montar um bom powerpoint para valorizar o seu trabalho.
Criando um plano de metas e tarefas, a sua “empresa pessoal” dará lucro e não prejuízo. A única maneira que conheço de passar por dificuldades é colocar no papel e planejar bem os passos. Há quem diga que isso seria algo muito metódico, mas nós humanos precisamos de regras, essa é uma das características que nos faz humanos!
 

Obrigado por sua participação! Boa sorte e tenha um bom ano!!

——Quer participar da Coluna do Leitor? Envie sua questão para o e-mail: atendimento@psicologoemcuritiba.com.br ! Será um prazer em recebe-los!

Leonardo Fd Araujo
Psicólogo em Curitiba CRP 08/10907
Terapia | Terapia Online | Coaching | Palestras
psicologoemcuritiba.com.br
Atendimento presencial e online
Bigorrilho, Curitiba – PR

Falecimento de celebridade e a identificação das pessoas com a morte – Coluna do Leitor

  • Artigo publicado em: 3 dezembro, 2013
  • Categorias:
O nosso leitor G.L. nos enviou uma questão, vamos lá:
——- 
 
Leonardo tenho observado um fenômeno no facebook que sempre que morre alguém famoso, as pessoas que não tem nada a ver com o morto começam a falar sobre o fato, acabam de uma certa forma tentando se ligar ao problema, ou ao defunto, por exemplo, esse final de semana que morreu o ator dos velores e furiosos, pessoas mais variadas viraram fãs incondicionais do cara, qual o motivo disso? Não sei se fui bem claro, me parece algo como sentir necessidade de fazer parte de uma coisa grande. 
Obrigado.
G.L.
 
——-
 
Olá G.L.
Acredito que possa haver uma identificação coletiva com a celebridade que faleceu. No caso em questão, o ator Paul Walker era um homem jovem e com filmes de sucesso.
Tanto a sua vida privada quanto a profissional acabam sendo idealizadas pelas pessoas. 
Ao assistir Velozes e Furiosos há uma identificação com o cara que tenta ajudar a mocinha e ainda por cima tenta converter os bandidos para “fazer o bem”. Em suma, um personagem como esse não tem como não ser adorado pelos fãs. 
Entendo a sua questão. Algumas pessoas falam como se sentissem a necessidade de fazer parte de algo maior do que elas, no caso a morte de alguém famoso. Em um momento como estes há quem lamente, quem diga que “já sabia que isso ia acontecer” ou ainda que não acredita no que está acontecendo. 
Há ainda outro aspecto do importante no falecimento. Quando ele acontece, há uma tentativa de elaboração do luto. Para tanto, nada melhor do que falar sobre o ocorrido. Esse movimento acontece em qualquer esfera, na familiar ou na pública. Quem vivenciou mortes marcantes como a de Airton Senna lembra de que o Brasil falou no assunto por semanas, era difícil de acreditar que um herói nacional tinha sucumbido.
Outra morte recente comentada a exaustão foi a do Michael Jackson. Por ser um ícone da música e ter marcado mais de uma geração, a repercussão foi bastante grande. Lembro que os canais dedicados à música fizeram maratonas para homenagear o cantor, chegaram a tocar suas músicas por 24h seguidas. Tudo isso acaba se tornando uma tentativa de elaborar o luto pela perda e os fãs acabam vivenciando isso também. 
Obrigado pela sua participação! Um grande abraço e até a próxima!
——-
Quer participar da Coluna do Leitor? Envie sua questão para o e-mail: atendimento@psicologoemcuritiba.com.br ! Será um prazer em recebe-los!
Leonardo Fd Araujo
Psicólogo em Curitiba CRP 08/10907
Terapia | Terapia Online | Coaching | Palestras
psicologoemcuritiba.com.br
Atendimento presencial e online
Bigorrilho, Curitiba – PR

Por que mentimos para o psicólogo?

  • Artigo publicado em: 11 novembro, 2013
  • Categorias:

Não foi a primeira vez, mas essa semana um paciente me fez essa pergunta.

A resposta não é simples e vem coberta de significado. Para cada um, mentir tem um peso e uma consequência. Há aqueles que mentem simplesmente como uma defesa, outros que mentem para “ficar por cima” na história. Precisamos, no entanto, ressaltar que há a mentira pura e simples e ainda a omissão.

 

Mentir para o psicólogo é algo bastante comum, estamos já acostumados a isso, vez por outra o paciente acaba se traindo na mentira. Quando temos a sorte de ligar um momento ao outro, a sessão fica bastante rica de significados e símbolos.

 

É preciso comentar sobre a valia dos mecanismos de defesa. Estes são, em primeira instância, uma postura defensiva do ego perante o desconhecido ou o pouco conhecido. Por exemplo: a pessoa ainda não se sente segura de contar ao psicólogo que era promíscuo sexualmente na juventude. Acaba contando outras coisas que nem sempre são a verdade. Essa é uma tentativa do ego de ocultar e obscurecer conteúdos que até hoje ainda não são bem resolvidos pela pessoa. O que nos faz pensar, e hoje? Onde há a promiscuidade para essa pessoa?

 

Há ainda a mentira ao desmarcar ou remarcar um atendimento. Quando isso acontece, provavelmente, algum ponto nevrálgico foi atingido na sessão anterior. É uma pena quando o paciente foge da psicoterapia neste momento, pois é justamente esse tipo de movimento que acaba enriquecendo o processo terapêutico.
Já tive situações de pacientes que me ligam uns dias antes da sessão para desmarcar, dizem que vão viajar e que me ligarão assim que possível para remarcar. Quanto a isso, não temos muito o que fazer. Quando a pessoa sente-se segura de voltar e é sincera, o processo se reinicia com força total e com a integração de diversos conteúdos. Isso é bastante comum de acontecer. Há um tempo, ao retornar de uma “alta temporária”, uma paciente foi sincera o bastante e colocou que eu havia a magoado muito na sessão anterior ao dizer determinada frase sobre os fracassos em sua carreira. Trabalhamos bastante em cima disso, pois era um “foco irritativo” dela, algo central de sua história. Esse é mais um exemplo em que a mentira foi positiva. Mentiu dizendo que iria viajar por 15 dias, acabou “se dando alta” e voltou 4 meses depois disposta a elucidar o que ficou obscurecido
Em cima de mentir para o psicólogo, há ainda muita fantasia embutida. Como se nós, de alguma maneira, fossemos reprovar atitudes e pensamentos de nossos pacientes. Muito pelo contrário! Costumo sempre dizer: “- Você pode ficar tranquilo em me contar suas coisas, já ouvi de tudo! Não estou aqui para te julgar e sim para te ajudar a pensar e refletir sobre sua vida. Se existe um lugar certo para você se abrir e desabafar, é aqui, sentado em minha frente.”
Tenham uma ótima semana!!
Leonardo Fd Araujo
Psicólogo em Curitiba CRP 08/10907
Terapia | Terapia Online | Coaching | Palestras
psicologoemcuritiba.com.br
Atendimento presencial e online
Bigorrilho, Curitiba – PR

Relacionamento, ciúme e o Facebook – Coluna do Leitor

Para inaugurar a Coluna do Leitor, vou trazer hoje a participação do R., um rapaz de 25 anos que tem uma questão sobre relacionamento amoroso, ciúme e o Facebook: 
——-
 

Olá Leonardo,

Tenho 25 anos, sou universitário, namoro há 1 ano e meio e minha namorada é muito ciumenta. Mesmo ela sabendo que sou um cara de respeito e que não fico de olho na mulherada, ela está muito grudada em mim. Esse grude está começando a me sufocar. Onde está mais complicado é com a internet e o celular. Ela fica querendo saber cada passo que dou no Facebook ou cada mensagem que recebo de qualquer pessoa que seja pelo celular. Gostaria que você falasse um pouco sobre esse tipo de ciúme!

Obrigado,
R. 
——-
Prezado leitor R.,

Um dos temas mais recorrentes no meu consultório estão relacionados a “posse” do outro. Percebo que conviver com as diferenças é o sentido mais puro de liberdade. Deixar que o outro seja livre para ser o que realmente é. Mas, o que vejo na grande maioria dos casos, são pessoas tentando fazer com que o outro se encaixe em um ideal de parceiro que é impossível. É preciso ainda “separar os corpos”!! 
Em um relacionamento há duas pessoas com características diferentes (ideias, personalidade, caráter, círculo social, emprego) e nunca haverá como acontecer uma FUSÃO entre essas duas pessoas. Quem nunca viu casal usando Facebook junto, por exemplo? É uma tentativa primária de fundir duas pessoas. Mais cedo ou mais tarde isso vai cobrar um preço, pois a liberdade e a individualidade podem e devem ser respeitadas para que o casal seja feliz.

 

Quer a sua dúvida comentada aqui na Coluna do Leitor? 
Escreva para mim!! atendimento@psicologoemcuritiba.com.br ! 
Leonardo Fd Araujo
Psicólogo em Curitiba CRP 08/10907
Terapia | Terapia Online | Coaching | Palestras
psicologoemcuritiba.com.br
Atendimento presencial e online
Bigorrilho, Curitiba – PR
LYMP Design