Artigos marcados com a categoria: pesquisas e publicações

Estudo levanta a polêmica: homens fiéis são mais inteligentes.

Uma pesquisa publicada pela London School of Economics levantou a seguinte questão: homens com QI mais alto, tendem a ser mais fiéis.

Na realidade os cientistas estavam estudando questões ligadas à evolução da inteligência humana. Descobriram que as pessoas mais inteligentes são mais flexíveis, e tendem a ser mais liberais. Descobriu-se também que muitos são ateus, o que leva a crer que pessoas inteligentes tentem a não aceitar dogmas com facilidade.

O achado secundário do estudo é que homens com QI mais alto tendem a serem mais fiéis. Para lembrar, o QI é o famoso quociente de inteligência.

Mas como assim? O que isso quer dizer?

O estudo explica que isso é uma questão de evolução da espécie. No tempo das cavernas, os homens precisavam ter várias parceiras para gerar muitos descendentes. Ao fazer isso, o seu clã ou tribo ficava fortalecido. Com a evolução da espécie, esse tipo de comportamento se esvaiu, pelo menos em parte.

Eu acredito que uma grande prole hoje em dia não teria serventia em uma grande cidade. Muito pelo contrário. O custo alto de vida e todos os percalços da vida moderna está fazendo as famílias encolherem de tamanho.

No Brasil, segundo o IBGE a quantidade de pessoas por família caiu de 3,6 em 1996, para 3,4 em 2006. Já em outros países desenvolvidos há campanhas para que os casais tenham mais filhos, pois há o temor de que a taxa de natalidade diminuída possa prejudicar a densidade demográfica, bem como a economia desses países no futuro.

Ok, mas voltando ao estudo. Quer dizer então que um homem infiel é burro? Não, isso é algo que não podemos afirmar, mesmo por que esse é um termo pejorativo e que não tem nenhuma serventia no assunto em questão.

O que posso dizer sobre o estudo é que para a Inglaterra ele pode até ser válido. Um país relativamente pequeno, com uma população com acesso a diversos serviços públicos de qualidade, com uma renda per capta maior. Para que essa questão fosse respondida com exatidão para a nossa população, só se o mesmo estudo ou pelo menos os mesmos instrumentos utilizados fossem aplicados por aqui.

Por experiência clínica, posso dizer que a infidelidade está mais ligada a questões emocionais. Não necessariamente ao QI. Tudo vai depender de como o homem teve as suas primeiras experiências com mulheres, da forma pela qual ele as vê e trata. Posso citar até mesmo o comportamento do homem com a mãe, pois é o primeiro modelo feminino que o homem tem contato na vida.

Há quem diga que o homem para trair basta de uma oportunidade, já para a mulher é preciso haver um motivo.

E você, o que achou da conclusão desta pesquisa?

Esse assunto foi notícia, veja abaixo a reportagem de 02/03/2010 do Jornal Nacional:

Tenham todos uma boa tarde!
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Pesquisa brasileira levanta que o Omega 3 pode regenerar neurônios

Em pesquisa desenvolvida na UNIFESP, cientistas estão testando em ratos o uso terapêutico do Omega 3 para regeneração neural. Sim, estamos falando do famoso Omega 3 que está presente nos peixes, principalmente na sardinha, atum e salmão. Os primeiros resultados são animadores.
A equipe provocou crises de epilepsia em ratos. Percebeu-se que com o uso do Omega 3 em neste grupo de ratos, houve uma recuperação de neurônios. Pois como é conhecido, crises prolongadas de epilepsia podem causar degeneração das células nervosas.
Segundo o médico que participa da pesquisa, Dr. Fulvio Alexandre Scorza, “Podemos dizer que o cérebro é capaz de se regenerar, ou seja, capaz de produzir novas células. Então isso para a gente é bastante interessante”. Mesmo ainda sem a comprovação laboratorial em seres humanos, o Dr. Fulvio faz um alerta aos pacientes que sofrem de epilepsia: “Nunca deve abandonar a medicação, vai ser sempre prescrito pelo médico juntamente com a medicação”.
Video da reportagem do Jornal da Globo 26/11/2009
É o Brasil, mais uma vez, levando a ciência a sério!
Tenham uma ótima tarde!!
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Pesquisa brasileira busca levantar dados sobre a saúde mental dos brasileiros, veja como participar!

Aqui no blog sempre procuro valorizar os trabalhos científicos nacionais. Infelizmente no nosso país nem sempre é fácil fazer ciência. Por isso, quando nos deparamos com algo positivo, faço questão de apoiar e divulgar.
O Jornal Hoje (12/01/2010) trouxe em reportagem o trabalho de pesquisadores da PUC de Porto Alegre, que estão iniciando uma pesquisa sobre saúde mental e o temperamento. O estudo envolverá 50 mil voluntários, e os questionários podem ser respondidos através da internet de maneira anônima.
Segundo o Dr. Diogo Lara, em reportagem, o estudo visa a formulação da escala de temperamento, que futuramente auxiliará o trabalho de psicólogos e psiquiatras. Uma vez que o instrumento poderá ser utilizado para antecipar possíveis transtornos comportamentais que o paciente pode estar mais propenso.
Aparentemente os servidores estão congestionados, mas de qualquer forma o endereço para responder o questionário é esse: http://www.temperamento.com.br/
Vamos prestigiar a ciência nacional, participe da pesquisa!
Tenham todos uma ótima tarde!
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Estudo brasileiro revela por que gostamos ou não do cheiro de uma pessoa

Uma pesquisa brasileira desenvolvida na UFPR (Universidade Federal do Paraná) levantou evidências genéticas em relação à atração ou repulsa ao cheiro de outras pessoas. O cheiro que exalamos informaria para os demais, informações sobre uma região do DNA denominada MHC. O nosso nariz funciona como um sensor que capta essas diferenças do MHC.

Durante a pesquisa desenvolvida com voluntários, cada um usou um sache por uma semana, para que este ficasse impregnado com o cheiro daquela pessoa. No final, os voluntários foram convidados a sentir o cheiro do sache dos outros participantes. O resultado foi que pessoas com o MHC parecido, geralmente não se sentiriam confortáveis com o cheiro do outro. Por sua vez, pessoas com o MHC diferente sentiram-se confortáveis com o cheiro.

Segundo a pesquisadora Dra. Maria da Graça Bicalho da UFPR, a repulsa das pessoas com o MHC parecido, pode ter ligações com a questão da variedade genética. Pessoas com o MHC diferente, em suma, seriam mais diferentes geneticamente: “Essa seria uma garantia a priori de descendentes com maior diversidade genética e com melhores condições de sobrevivência”, explica a pesquisadora.

Seria essa uma comprovação cientifica de que os opostos se atraem? Essa pesquisa é muito importante, principalmente para comprovar diversas indagações que a ciência tem sobre os componentes genéticos e biológicos do amor.

Sem dúvida nenhuma temos alguma afinidade biológica, algo que nos foi passado desde os primórdios da espécie humana. O que não podemos esquecer jamais, é que não importa termos o MHC diferente do nosso parceiro, se no restante do cotidiano do casal não há uma ligação especial. Tal ligação, pode ser chamada como aquela famosa química que muitos comentam.

O jogo da sedução, o carinho e o afeto, devem fazer parte de qualquer relacionamento, seja um recente ou um casamento de muitos anos. Sem isso, o casal acaba partindo para a tão temida rotina. E essa é uma barreira difícil de se quebrar com o tempo. A rotina leva ao comodismo, e depois disso à amizade. O casal acaba ficando “amigo”, ao invés de ser realmente um casal que se ama, que se curte e vive a vida intensamente.

Abaixo, uma reportagem sobre o assunto. Jornal Hoje 10/12/2009: Pesquisa desvenda por que gostamos ou não do cheiro de uma pessoa:

Tenham todos uma ótima tarde!

E você? O que achou desta pesquisa??

Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

Pesquisa demonstra que mulheres sentem menos dor ao ver a foto ou ao segurar a mão do namorado

Em recente pesquisa realizada na Universidade da Califórnia (UCLA) foram levantadas questões relativas à sensação de dor nas mulheres. O estudo foi desenvolvido por um grupo de psicólogos, dentre eles a pesquisadora e co-autora Naomi Eisenberger.

Para o estudo, foram realizados alguns experimentos. Em um grupo de 25 mulheres que tem namorado, foi aplicado o seguinte teste: um estímulo doloroso foi conferido no braço das participantes, e após foi apresentado a elas a foto do namorado, a de um estranho e de uma cadeira.

As participantes do experimento relataram que sentiram menos dor ao ver a foto do namorado. Ou seja, uma mera lembrança do namorado por meio de uma foto, foi capaz de diminuir a significativamente a sensação de dor.

Foi realizado um segundo experimento. Aplicou-se o mesmo estímulo doloroso, só que desta vez as participantes puderam segurar a mão do namorado, a de um estranho e uma bolinha de massagem.

Segundo a co-autora da pesquisa, Naomi Eisenberger, os resultados demonstram o quão importantes são as relações sociais para a nossa saúde física e mental. E Naomi ainda dá a dica, se precisar de um apoio em uma situação dolorosa, uma simples foto de seu ente querido pode ajudar bastante.

Foto: Internet

Com relação ao estudo e ao tema, há de se pensar na questão do conforto psicológico que um ente querido trás, ainda mais quando se é o parceiro. Muitas mulheres preferem que o parceiro participe do parto, nem que seja apenas para segurar a mão da mulher. Essa prática fortalece a relação dos dois, e pelo o que o estudo demonstrou, pode sim melhorar a sensação de dor.

Temos também o outro exemplo que os pais cultivam muito com os filhos. Quando a criança cai ou se machuca, logo vem a mãe com doces e pontuais palavras “Pronto! Já passou!”, e isso pelo visto tem algum fundamento científico!

O estudo é recente, precisa de comprovações e experimentos complementares, porém, já temos um bom norte para futuras discussões sobre a dor e seus aspectos psicossociais.

Informações adicionais sobre o estudo, visite o site da UCLA.
Tenham todos uma ótima tarde!!
Leonardo Fd Araujo CRP 08/10907
Psicólogo e Coach
Tel: 3093-6222

Rua Padre Anchieta, nº 1923, sala 909
Bigorrilho – Curitiba

LYMP Design